EP-30 Perfeccionismo a prisão perfeita

EP-30 Perfeccionismo a prisão perfeita
Perfeccionismo a prisão perfeita

EP-30 Perfeccionismo a prisão perfeita

Apresentador

Reginaldo Pacheco

Pauta

EP-30 Perfeccionismo a prisão perfeita

LINKS INDICADOS NO PROGRAMA

Roda de Pensadores http://www.rodadepensadores.com.br/

Instagram @jornadasdoeu https://bit.ly/2A64MHV

Contato: jornadasdoeu@gmail.com

Campanha LGBTPodcasters

Podcaster https://lgbtpodcasters.com.br/

Livro da Semana

Ouça nosso ultimo EPEP-29 Os Saberes da Maternidade com Fernanda Castelhano

Perfeccionismo a prisão perfeita

Quem já participou de uma entrevista de emprego já ouviu essa com certeza, quando é perguntado a alguém, “ Qual o seu pior defeito?, a resposta padrão vem logo em seguida.

Eu sou perfeccionista demais, uma resposta recorrente e que todos os recrutadores estão cansados de ouvir e que sabem que normalmente não é toda a verdade.

Primeiro porque não tem como 20 pessoas participando de uma dinâmica terem o mesmo falso defeito.
Segundo,  porque ser perfeccionista é um inferno, exaustivo e estressante.
Então no programa de hoje vamos conversar sobre como o perfeccionismo é uma prisão perfeita.

O que é Perfeccionismo? E por que o perfeccionismo a prisão perfeita?

Se lembra quando você estava na escola e tirou um 9,00 na prova e parecia o fim do mundo, ou naquela competição que você ficou em 2º  ou 3° lugar e você queria explodir.

Todos esses comportamentos são sinais de uma pessoa perfeccionista.
A busca por fazer tudo perfeito, da melhor forma possível, se confunde em ter alta performance, e esses comportamentos podem ser agravados conforme são estimulados.

Mas a marca registrada do perfeccionismo não é fazer bem as coisas, ou ter reconhecimento por você ter mandado super bem naquele projeto, é a constante insatisfação que vem da sensação de ainda não ter alcançado a perfeição do seu trabalho.  

Perfeccionismo é autoconhecimento

Todos que acompanham o jornadas sabem que eu sou um defensor da busca pelo autoconhecimento, mas em algum ponto da curva a busca por autoconhecimento se torna a busca por ser uma pessoa melhor, a melhor versão de si mesmo ou a busca por ser uma boa pessoa.

São três ideais ótimos e inalcançáveis, e vejo pessoas com um potencial incrível presas nessa busca incessante e interminável de sermos a melhor versão de nós mesmos.

O perfeccionismo para aqueles que realmente são perfeccionistas é um presente de grego, a representação do melhor cavalo de troia que alguém pode ter, perfeccionistas normalmente têm alto desempenho, mas o preço a ser pago por essa produtividade normalmente é ansiedade, altos níveis de estresse, infelicidade e insatisfação crônica.

Todos os grupos sociais têm cobranças específicas sobre como devem viver suas vidas, e isso está entranhado na nossa sociedade moderna.

As grandes transformações do mundo e o perfeccionismo a prisão perfeita

A alguns dias eu estava conversando com um amigo sobre a vida na antiguidade, digamos que o seu pai fosse pedreiro, você herdaria o ofício do seu pai, seu lugar no mundo estaria mais claro e mais seguro.

Com o avanço da sociedade e de nossos pactos civilizatórios fomos tendo mais tempo, mais liberdade, o desenvolvimento de tecnologia foi mudando a forma como nos relacionamos, do mundo antigo ao mundo pós-moderno tivemos as grandes revoluções, a  revolução cognitiva, a revolução agrícola, a revolução industrial e por fim a grande revolução da nossa era, a revolução tecnológica.

Hoje vivemos em nosso mundo pós-moderno, nossa base referencial se tornou insustentável, basta abrir o instagram, cada pessoa que aparece no seu feed é alguém com quem você vai se comparar.

A 3 mil anos atrás a sua base de referência seriam as pessoas da sua vila, do seu ofício, uma amostra bem pequena, hoje nossa base de referência pode ser qualquer pessoa no mundo, você pode se comparar com um alemão super inteligente, com um inglês rico, com italiano com uma linda família e com um brasileiro lindo, tudo da tela do seu celular.

O padrão subiu e subiu muito, ao ponto que absolutamente ninguém consegue alcançar.

O Perfeccionismo refletido internamente

Susan, uma designer de interiores, trabalhou freneticamente para colocar seus livros de fim de ano em ordem, manter o negócio funcionando, e planejar uma festa de Ano Novo para seus amigos e clientes.

A casa de Susan é um anúncio de seu talento como designer, então ela queria fazer algumas mudanças na sala de jantar formal antes da festa que seria particularmente impressionante.

Tudo se juntou a tempo para a festa e a noite parecia estar indo bem, até que seu assistente, Charles, perguntou se certos convidados haviam chegado — a Sra. Beale, dona de uma pequena loja de antiguidades que deu a Susan um monte de negócios, e o Sr. Sandoval, um membro da Câmara de Comércio local e apoiador de Susan.

Susan sentiu que sua cabeça estava prestes a explodir quando percebeu que tinha esquecido de convidá-los para a festa. “Oh, não”, ela gemeu. “Como eu poderia ser tão estúpido? O que é que eu vou fazer? Eles sem dúvida ouvirão sobre isso de alguém e assumirão que eu não os convidei de propósito.

Eu posso muito bem deixar o negócio. Embora Charles sugerisse que ela poderia estar exagerando um pouco, Susan passou o resto da noite agonizando sobre seu erro.

Susan é uma perfeccionista interiormente focada. Embora possa ajudá-la em seu trabalho, também a machuca quando ela é dura consigo mesma e acha o erro completamente inaceitável. Como muitas pessoas, ela se preocupa com o que os outros vão pensar dela e de seus negócios.

No entanto, no caso de Susan, seus erros levam à humilhação, angústia, noites sem dormir.

Ela tem problemas em se soltar e perdoar a si mesma porque, em sua mente, está tudo bem para os outros cometerem erros, mas não é certo para ela cometer erros.

O Perfeccionismo refletido externamente

Tom, por outro lado, é um perfeccionista externamente focado. Ele se sente bem consigo mesmo, mas muitas vezes está decepcionado e frustrado com outros que parecem sempre decepcioná-lo.

Controle de qualidade é sua linha de trabalho, mas ele nem sempre pode desligá-lo quando ele sai do escritório.

Tom entrou em sua garagem para descobrir que ainda havia uma bagunça na bancada e no chão que seu filho Tommy tinha deixado dois dias antes.

Tom entrou pela porta e disse à esposa com um tom de voz irritado: “Eu disse ao Tommy para limpar a bagunça dele na garagem antes de chegar em casa.” Sua esposa defendeu o filho, dizendo: “Ele chegou em casa há alguns minutos.” “Onde ele está agora?” Tom exigiu. “É melhor ele não estar no telefone.”

Com certeza, tommy estava no telefone e Tom sentiu-se tenso e ordenando: “Saia do telefone e vá limpar essa bagunça na garagem como eu lhe disse.” “Sim, senhor”, disse Tommy, sabendo que uma palestra estava chegando.

Para Tom, parece que todos os dias há algo novo para reclamar. Tommy não escuta, sua esposa não cuida das coisas a tempo, e sempre há uma desculpa.

E mesmo quando eles fazem a sua parte geralmente não é bom o suficiente e eles não parecem se importar. É tão frustrante para Tom às vezes que ele mesmo faz o trabalho em vez de pedir ajuda, só para que ele não tenha que lidar com procrastinação e desculpas.

O tipo de perfeccionismo de Tom lhe causa problemas em seus relacionamentos com os outros porque ele é frequentemente frustrado por seu fracasso em atender às suas expectativas.

Quando ele tenta apontar isso de uma forma gentil, ainda parece levar à tensão, e às vezes a conflitos. Ele tentou treinar-se para não esperar nada dos outros, mas essa estratégia também não parece funcionar.

13 sinais de que o seu perfeccionismo está exagerado e esta se tornando a sua prisão perfeita

1 – Você sempre tentou agradar os outros

Muitas vezes o perfeccionismo começa na infância. Desde cedo somos desafiados a tentar alcançar o céu – os pais e professores encorajam seus filhos a terem um alto desempenho escolar e recompensam o trabalho bem feito com aquelas estrelinhas douradas (ou em alguns casos, com uma punição se não alcançam o resultado esperado).

Os perfeccionistas aprendem muito cedo a viver de acordo com as palavras “Eu realizo, logo eu sou” – e nada lhes dá maior satisfação do que impressionar os outros (ou a si mesmos) com o seu desempenho.

Infelizmente, viver sempre correndo atrás da nota 10 em qualquer esfera pode resultar em uma vida de constante frustração, sofrimento e auto-questionamento.

2. Você sabe que a busca pelo perfeccionismo está te prejudicando, mas você acha que isso é apenas o preço que precisa pagar para ter sucesso.

O protótipo do perfeccionista é alguém que fará de tudo (e muitas vezes fará coisas nada saudáveis) para evitar ser comum ou medíocre. É a pessoa que tem uma mentalidade “sem dor, sem conquistas” na busca pela grandeza.

Apesar de nem sempre os perfeccionistas terem alto desempenho, o perfeccionismo está frequentemente ligado ao excesso de trabalho.

“O perfeccionista reconhece que os seus padrões altíssimos causam estresse e são pouco razoáveis, mas ele acredita que eles os motivam a atingir níveis de excelência e produtividade que de outra forma ele nunca atingiria”, escreve Burns.

3. Você é um grande procrastinador.

A grande ironia do perfeccionismo é que apesar da característica de grande motivação para alcançar o sucesso, ele pode ser justamente o que impede a pessoa de ter sucesso.

O perfeccionismo está fortemente ligado ao medo de errar e a comportamentos de auto-sabotagem, como a procrastinação excessiva.

Pesquisas mostram que o perfeccionismo voltado para o outro (uma forma distorcida do perfeccionismo motivado pelo desejo da aprovação social), está ligado à tendência de postergar o cumprimento de tarefas.

Para esse tipo de perfeccionista, a procrastinação parece ter origem principalmente no temor da desaprovação vinda de outras pessoas, segundo pesquisadores da York University. Por outro lado, os “perfeccionistas adaptativos” estão menos propensos à procrastinação.

4. Você é altamente crítico de outras pessoas.

Julgar os outros é um mecanismo de defesa psicológica bastante comum: nós rejeitamos em outros o que não aceitamos em nós mesmos.

E quando se trata de um perfeccionista, geralmente há muito que ser rejeitado. Os perfeccionistas são pessoas altamente criteriosas e poucos escapam do seu olhar crítico.

Ao pegar mais leve com outras pessoas, alguns perfeccionistas talvez consigam dar um desconto para si mesmos também.

“Não olhe para as falhas de outros, nem para suas omissões ou comissões”, Buda sabiamente recomendou. “Ao invés disso, olhe para os seus próprios atos, para o que você fez ou deixou de fazer”.

5. Para você, é tudo ou nada.

Muitos perfeccionistas lutam com o pensamento preto-e-branco – um momento você está tendo sucesso e no próximo já é um derrotado, de acordo com sua mais recente realização ou falha – e vivem nos extremos.

Se você tem tendência a ser perfeccionista, provavelmente só mergulha de cabeça em um novo projeto ou tarefa se achar que existe uma boa chance de ser bem-sucedido naquilo – e se houver o risco de dar errado, você provavelmente evitará se envolver naquilo.

Pesquisas mostram que os perfeccionistas têm aversão ao risco, o que pode inibir a inovação e a criatividade.

Para os perfeccionistas, a vida é um jogo de tudo ou nada. Quando um perfeccionista se determina a fazer algo, a motivação e ambição pode levá-lo até às últimas consequências para alcançar aquele objetivo. Então, não é de se admirar que os perfeccionistas correm um grande risco de desenvolver distúrbios alimentares.

6. Você tem dificuldade em se abrir com outras pessoas.

A autora e pesquisadora Brene Brown considera que o perfeccionismo é uma “armadura de 20 toneladas” que carregamos para nos defendermos – mas na maioria dos casos, o perfeccionismo simplesmente nos impede de ter uma verdadeira conexão com outras pessoas.

Por causa do medo intenso de falhar ou de ser rejeitado, o perfeccionista muitas vezes sente dificuldade para se expor ou mostrar vulnerabilidade, diz a psicóloga Shauna Springer.

“É muito difícil para um perfeccionista compartilhar a sua experiência interior com um parceiro”, escreve Springer na revista Psychology Today.

“Os perfeccionistas muitas vezes sentem que precisam ser fortes e ter o controle de suas emoções o tempo inteiro. Um perfeccionista pode se esquivar de falar sobre seus medos, inseguranças, incapacidades e decepções com outras pessoas, mesmo com aquelas que são mais próximas”.

7. Você sabe que não adianta chorar sobre o leite derramado… mas você chora mesmo assim.

Seja por ter queimado o arroz ou por ter chegado cinco minutos atrasado para uma reunião, aqueles que buscam a perfeição tendem a ter uma obsessão com cada errinho que cometem.

Isso pode resultar em vários pitis, crises existenciais e birras de gente grande. Quando o seu foco principal está no erro ou falha e o que lhe motiva é evitar isso a qualquer custo, até a menor pisada na bola é um atestado incontestável da sua enorme falha pessoal.

“Com a falta de uma fonte profunda e sólida de auto-estima, as falhas afetam os perfeccionistas de forma bastante séria e podem levar a crises prolongadas de depressão e afastamento para algumas pessoas”, escreve Springer.

8. Você leva tudo para o lado pessoal

Já que eles consideram cada obstáculo e crítica como uma falha pessoal, os perfeccionistas tendem a ter menos resiliência do que outras pessoas.

Ao invés de reagir aos entraves e erros, o perfeccionista sente-se derrotado, considerando cada falha como prova do medo mais profundo que continuamente o assola: “Eu não sou bom o suficiente”.

9. … E você fica na defensiva quando é criticado

As vezes é possível identificar um perfeccionista numa conversa pela maneira em que eles se defendem por qualquer crítica, por menor que seja.

A fim de preservar a auto imagem frágil e a aparência perante os outros, o perfeccionista tenta controlar a situação defendendo-se de qualquer ameaça – mesmo quando não há necessidade de defesa.

10. Você nunca “atinge o seu objetivo” totalmente.

Já que a perfeição, obviamente, é algo impossível de se atingir, os perfeccionistas geralmente têm a sensação de que ainda não atingiram o seu objetivo totalmente, que falta alguma coisa.

A cantora Christina Aguilera, perfeccionista assumida, disse em entrevista à revista InStyle em 2010 que ela se concentra em todas as coisas que ela ainda não realizou, o que a impulsiona a constantemente superar a si mesma.

“Eu sou extremamente perfeccionista e exigente comigo mesma”, confessou Aguilera. “Eu gostaria de fazer mais trabalhos no cinema e eu sinto que ainda não alcancei o tipo de sucesso que eu desejo ter. Tenho certeza que haverá um ponto em que eu me sentirei em paz, sabendo que eu realizei muitas coisas”.

11. Você sente prazer em ver outra pessoa falhar, mesmo que não tenha nada a ver com você.

O sofrimento adora uma companhia e os perfeccionistas – que gastam muito tempo e energia pensando e se preocupando com as próprias falhas – podem sentir um certo alívio e mesmo prazer ao ver os desafios enfrentados por outros.

Você pode até sentir-se melhor a respeito de si mesmo vendo a falha de outra pessoa, mas a longo prazo, isso só reforça o pensamento competitivo e crítico que alimenta o perfeccionismo.

12. Você secretamente nutre uma saudade do seu tempo de escola.

Algumas pessoas detestavam a escola, mas você amava, pois lá havia uma medida do seu sucesso – você tinha tarefas, notas, feedback e um professor que estava lá para lhe dar um feedback positivo e um tapinha nas costas por um trabalho bem feito.

Talvez você tenha sido o queridinho(a) do professor, ou talvez aquele com “Melhores chances de ter sucesso”. O sistema estruturado da escola e a fórmula simples de “trabalhe duro, tenha um bom desempenho e receba uma recompensa” oferece conforto à maioria dos perfeccionistas.

No mundo real, o sucesso é medido de outra forma. Tudo tem uma estrutura diferente. E apesar de você nunca admitir isso, por um lado você sente falta daquele mundinho onde era possível tirar nota dez e estava tudo certo.

13. Você tem uma alma culpada.

No fundo, muitas vezes os perfeccionistas são atormentados por sentimentos de culpa e de vergonha.

O perfeccionismo mal-adaptado – um impulso pela perfeição que geralmente tem sua origem na esfera social e um sentimento de pressão para ser bem-sucedido que vem de fontes externas, mais do que internas – tem uma forte relação com a ocorrência de depressão, ansiedade, vergonha e culpa.

“O perfeccionismo não tem a ver com a busca da excelência ou da melhoria, que é uma coisa saudável”, disse Brené Brown numa entrevista a Oprah.

Quando o perfeccionismo é a prisão perfeita , ele nos enjaula em nossa própria necessidade de alcançar patamares altos e que não entrega o que realmente precisamos.

“É uma forma de pensar e sentir que diz: ‘Se eu tiver uma aparência perfeita, se eu fizer do jeito perfeito, se trabalhar e viver da maneira perfeita, eu posso evitar ou minimizar a vergonha, a culpa e o julgamento’ ”.

Então qual é o remédio para isso? Brown recomenda a prática da autenticidade. Permita que os outros lhe vejam exatamente como você é e abra mão do escudo protetor do perfeccionismo para que você possa expressar a sua vulnerabilidade.

“A autenticidade é uma prática que você escolhe todos os dias”, ela diz, “às vezes a cada hora do dia”.

A busca por ser perfeito cobra um preço alto

Uma pesquisa feita pelas Universidades de York St. John e Bath no Reino Unido indicou que houve um aumento significativo de perfeccionistas entre os universitários recém formados.

Outra pesquisa realizada pela Universidade de West Virginia, nos Estados Unidos, indica que duas em cada cinco crianças e adolescentes são perfeccionistas. “Estamos começando a falar sobre como caminhamos para um caso de epidemia em saúde pública”, disse Katie Rasmussen, autora do estudo e pesquisadora do desenvolvimento infantil e sua relação com o perfeccionismo, à BBC.  

Os resultados de ambas as pesquisas apontam para uma população que não é melhor sucedida apesar de buscar a perfeição, mas que está ficando cada vez mais doente. 

Dessa forma o perfeccionismo se torna a prisão perfeita para inúmeros jovens que já cresceram com uma rede de referencias tão amplas que afeta a sua própria noção de identidade e valor.

Isso porque essa tendência está associada a uma série de condições clínicas preocupantes como: depressão e ansiedade (mesmo em crianças), automutilação, transtorno de ansiedade social e agorafobia, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), compulsão alimentar, anorexia, bulimia, estresse pós-traumático, síndrome de fadiga crônica, insônia, colecionismo, dispepsia, dores de cabeça crônicas e, em casos extremos, mortalidade precoce e suicídio.

A busca pela perfeição faz você seguir no caminho inverso do que você precisa.

Como lidar com o perfeccionismo ?

Ser perfeccionista é bem exaustivo, e é normalmente marcada pela dificuldade em pedir ajuda, então procure ajuda de um psicólogo ou psiquiatra, esses profissionais vão ajudar você a ir encontrando quais os seus gatilhos, e como você pode aprender a lidar com eles.

Busque demonstrar mais sua vulnerabilidade, tire a armadura que te cerca, e cultive um olhar com mais compaixão, quando permitimos que os outros errem e que não sejam perfeitos, podemos estender essa prerrogativa para nós mesmos.

E pratica a contemplação, observe a natureza e veja que nada nela é simétrico, nada na natureza é perfeito e por isso funciona.

Você pode tentar ser perfeito, esse ideal tão lindo e maravilhoso.
Mas será como tentar construir uma torre de babel, o seu objetivo são os jardins elísios, mas você só está alargando o tamanho do seu inferno pessoal.

Referências 

14 sinais de que o seu perfeccionismo está exagerado demais | O Blog da Exotics
Brené Brown: Perfectionism Is The 20-Ton Shield We Use To Protect Ourselves (VIDEO) | HuffPost
How Perfectionism Hurts Relationships | Psychology Today
Pitfalls of Perfectionism | Psychology Today
https://www.sciencedaily.com/articles/p/perfectionism_(psychology).htm
The Perfect Trap | Psychology Today
Ser perfeccionista pode trazer sérios prejuízos à saúde (abril.com.br)
Ser perfeccionista pode trazer sérios prejuízos à saúde | VEJA (abril.com.br)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *